Não se apegue aos diagnósticos mais do que o necessário.

Compartilhe esse post!
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email

Não se apegue aos diagnósticos (rótulos) mais do que o necessário.

Não se apegue aos nomes, aos termos técnicos.

Use-os com cautela. Use-os quando necessário, com colegas, na discussão de um caso, na supervisão onde encontramos luz para pontos cegos.

Não substitua o encontro humano pelo nome técnico, pelo jargão.

Não se esconda atrás do lugar profissional.

Um paciente é muito mais do que o conjunto de sintomas; ele é história encarnada no corpo, é resultados dos encontros, dos cuidados, dos recursos que dispõe. Particularidades que diagnóstico nenhum será capaz de esgotar!

Cada paciente tem nome próprio e merece ser chamado por ele!⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

.⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀ ⠀ ⠀ ⠀⠀ ⠀

Isso me lembrou do Winnicott (1961):

 “Para aqueles que estão mais interessados em doenças do que em pessoas – doenças da mente, eles as chamariam – a vida é relativamente fácil. Mas, para aqueles entre nós que tendem a conceber os pacientes psiquiátricos não como doentes, mas como pessoas que são vítimas da batalha humana pelo desenvolvimento para a adaptação e para a vida, nossa tarefa torna-se infinitamente complexa.”⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

Mais conteúdos